Residência Artística 2014

Karolina Ziulkoski

Bio

Karolina Ziulkoski (1985) possui formação em Arquitetura (UFRGS, láurea acadêmica) e Publicidade (PUCRS), e mestrado no Interactive Telecommunications Program da New York University. Trabalhou no American Museum of Natural History colaborando com as instalações interativas para as exposições da instituição. Seu trabalho “Perceptual Epic” faz parte da rotação permanente do vídeo wall da sede do IAC em Nova Iorque, além de ter desenvolvido trabalhos para exposições e espetáculos em diversas mídias. Suas instalações procuram fundir o real e o digital, reduzindo a divisão entre ambos e cruzando as barreiras entre meios.

O projeto

Arquitetura Móvel

“Arquitetura Móvel” é um projeto artístico desenvolvido para a residência Labmis do Museu da Imagem e do Som de São Paulo por Karolina Ziulkoski. Sua proposta é a transformação da arquitetura em objetos móveis através da tecnologia de realidade aumentada. Centros financeiros famosos de outros lugares do mundo foram transplantados para a Av. Paulista sobre edifícios históricos. O projeto, logicamente, não propõe executar isso, mas sim provocar um estranhamento que leve à discussão.

A ideia surgiu a partir das discussões em São Paulo a respeito do projeto da torre comercial e shopping onde antes era a casa dos Matarazzo. Como já havia acontecido outras vezes na mesma avenida, um patrimônio (e isso pode significar tanto valor arquitetônico como valor de significado histórico), ou melhor, o que restava dele, foi derrubado para dar lugar a mais um edifício que tenta copiar os grandes centros financeiros mundiais.

Não há nada de errado em procurar se identificar como uma metrópole relevante no cenário global. Porém, até que ponto isso é atingido às custas de nossa identidade local e da destruição de parte de nossa história? E assim surge esse aplicativo: faz sentido colocarmos a Gherkin Tower sobre a igreja São Luís? Ou a Torre Agbar sobre uma das mais lindas antigas residências de São Paulo? Uma certeza existe: não colabora na criação de uma identidade para São Paulo. Pesquisas realizadas pela artista com brasileiros e estrangeiros mostram que não existe uma imagem clara da cidade - há muita confusão, com pessoas citando locais que nem em São Paulo são, imagens negativas, como cinza, concreto, caos e multidão, além de muitos não terem ideia nenhuma a respeito da cidade: entre os estrangeiros, quando perguntados qual monumento representa São Paulo, 52% não sabiam e 9% responderam “nada” ou “nenhum”. Entre os brasileiros, 14% não sabem, 21% citaram o Masp e 16% a Av. Paulista, mas também foram obtidas respostas como “caos, trânsito e poluição”, o Marco Zero (fica em Nova Iorque) e a Central do Brasil (fica no Rio de Janeiro).

E então, quem sabe, ao invés de copiar edifícios famosos, não deveríamos pensar em algo que represente nossa própria identidade? E aqui é fundamental a sua participação: envie um desenho ou texto sobre qual seria um monumento que represente São Paulo. As sugestões serão transformadas em uma única proposta, que estará em exposição no Museu da Imagem e do Som de São Paulo em data a definir.

Texto do orientador

Jason Scott Rosen

PT
São Paulo no século XXI é uma grande cidade enfrentando muitos desafios, não apenas para os cidadãos que ali vivem mas também para a própria cidade, enquanto busca um lugar entre as cidades de maior significância global.

Existe uma troca recíproca entre esses dois tipos de desafios, e muitas vezes é possível enxergar as causas e efeitos de cada narrativa correndo através de ambos. Esse projeto é um guia imersivo através de uma veia de estórias que, no final, fornece uma plataforma para empoderar os cidadãos de São Paulo a tomarem para si a definição do que a identidade icônica dessa grande cidade distanta culturalmente pode ser através da consciência coletiva.

Karolina Ziulkoski é uma designer crítica que usa a tecnologia para criar experiências imersivas que permitem uma profunda troca participativa entre estórias e a audiência. Já realizou diversos projetos que quebram o modelo da fórmula do museu para ajudar a moldar a auto-educação através do multimídia como um novo meio para trabalhar por um futuro melhor.

O resultado do trabalho da Sra. Ziulkoski no MIS é um aplicativo de realidade aumentada que permite ao usuários ver centros financeiros icônicos de grandes cidades ao redor do mundo suplantados sobre cinco prédios históricos da Av. Paulista. O aplicativo somente funciona no local, costurando os modelos virtuais ao mundo físico numa crítica sore como a cultura urbana brasileira está sendo submetida a versões medíocres das arquiteturas de outras cidades ao invés de usar a oportunidade no engajamento na criação de uma identidade singular para cidades como São Paulo.

A proposta é que o aplicativo provoque tais diálogos, enquanto simultaneamente serve como um repositório para que os cidadãos possam contribuir com suas próprias ideias sobre que forma essa identidade poderia tomar. Esse é um chamado para trabalhar em prol da definição de completos novos modelos de orgulho cívico e autenticidade, começando com as pessoas que fazem as cidades respirar e viver.

EN
São Paulo in the 21st century is a great city facing many challenges, not only to the citizens that live within it but also itself as it vies for a place amongst other cities of global significance.

In many ways, there is a reciprocal exchange between these two types of challenges, and you can often see the cause and effects of each narrative running it's course through both. This project is an immersive guided tour through one vein of stories that in the end provides a platform to empower the citizens of São Paulo take hold of defining what this great city's distinct cultural and iconic identity can be through a collective consciousness.

Karolina Ziulkoski is a critical designer who uses technological applications to create immersive experiences that allow for a deeper participatory exchange between stories and audiences. She has done a multitude of projects that break the mold of the museum formula in order to help shape self education through multimedia as a new modicum for working toward a better tomorrow.

The result of Ms. Ziulkoski's practice at MIS is an augmented reality app that allows users to see iconic financial centers from major cities across the globe, supplanted on top of five historical buildings on Paulista Avenue. The application only functions on site, tying the virtual models to the physical world in a critique about how Brazilian urban culture is being surrendered to mediocre versions of other cities' architectures, instead of seizing the opportunity to engage in the creation of a singular identity to cities like São Paulo.

The proposal is to ignite such dialogues, while simultaneously serving as a repository for citizens to contribute their own ideas for what shape and form this identity could have. This is a call to work toward defining entirely new models of civic pride and authenticity, starting with the people who make the cities breathe and live.

Processo Work in Progress